Sobre o Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil

Por Marcelo Lopes
 Vitória da Conquista, segundo o censo do IBGE de 2010 tem 310.129 habitantes, sendo a terceira maior cidade do estado e influencia facilmente do ponto de vista econômico e cultural cerca dois milhões de pessoas. Sua forte característica de atividades voltadas principalmente para o comércio de bens e serviços (tendo destaque inclusive no setor educacional), põe a cidade no foco de inúmeros investimentos, acelerando o fluxo de pessoas que transitam e consomem o que aqui é oferecido.
É perceptível que a dinâmica das atividades culturais nos últimos dez anos tem tomado um porte considerável. Música, teatro, dança, audiovisual, manifestações da cultura tradicional, eventos de grande porte, iniciativas individuais e coletivas, premiações em seleções públicas de editais em todo o Brasil para a realização de ações culturais. Tudo isso pressupõe profissionais capacitados, mas principalmente estruturas adequadas para dar sustento a gama de atividades que vem crescendo e dando espaço a novas frentes da economia criativa na região.
Mas não exatamente assim que isso acontece.
O município ainda hoje enfrenta o impasse de questões fundamentais: não dispõe efetivamente de um Cento de Convenções (embora esta seja uma necessidade gritante não apenas nas atividades culturais, fazendo com sejam usados espaços alternativos quase improvisados); não conta com equipamentos públicos de cultura no lado oeste da cidade (não vale contar o SESC, que é uma entidade privada), sinal de um estigma ainda presente numa cidade cortada ao meio pela BR 116; não tem um aeroporto compatível com a demanda de uma economia polarizante (e as discussões sobre isso vêm ocupando mais os discursos político-partidários do que os encaminhamentos efetivos para a construção de uma nova estrutura, muito embora a sociedade civil se movimente e muito para que isso se concretize rapidamente).
Num cenário em que as necessidades de suporte para a cultura são gritantes é incompreensivel que questões como a implantação do Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil fique relegada a discussões tão pobres, desviando a atenção de temas mais importantes para polêmicas fora do eixo. Isso vem atrasando o processo e nos privando de um espaço privilegiado para a Cultura. Por isso, seguem algumas informações básicas:
– Por estar sendo cedida pela administração municipal (entidade pública) para o BNB (outra entidade pública) para construção do CCBNB, a Praça Sá Barreto será adotada e beneficiada com espaços de lazer, ciclovias, parques e jardins, otimizando os espaços da área que hoje é extremamente subutilizada;
– O CCBNB será a primeira edificação do Programa construído especialmente para este fim no Brasil e por isso terá uma dinâmica arquitetônica muito bem pensada (sem precisar de adaptações como em outros lugares). Contará com anfietatro, galeria de exposições, uma biblioteca especializada em temas culturais, além de se tornar um espaço de convívio de excelência no município;
– As programações devem privilegiar a circulação de produção cultural de todo o nordeste, levando e trazendo talentos de diversas áreas para se apresentarem no CCBNB, com foco no acesso democrático a todos em Vitória da Conquista.
Deixo aqui meu apoio pessoal à iniciativa, consciente de que não haverá projeto algum que se materialize de forma ideal, mas que sua efetiva realização potencializará o que já existe, dando trânsito a inúmeras expressões artísticas locais e de todo o Nordeste.
Cultura é um direito real de todos para sua efetiva realização e participação. Vai muito além do que a sensação que alguns têm de se tratar de uma concessão político-partidária a talentos pulverizados por aí, moldados para o entretenimento da população.
Marcelo Lopes
Sobre Marcelo Lopes 263 Artigos
Historiador, produtor cultural, escritor, artista gráfico e técnico-analista em projetos culturais.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*