Igual e diferente

homens-são-todos-iguaisA vida – essa coisa que nos anima e que deixa muita gente sem saber o que fazer com ela – muitas vezes parece embotada em nosso olhar sobre o mundo. Pela maneira como a levamos hoje, em meio a discursos de aparência e um estilo de consumo que nos impõem outros discursos nada aparentes, nos pegamos rotineiramente achando que vivemos uma era de mesmices sem fim, onde as coisas se repetem de forma igual, onde as ideias são as mesmas com outra roupa e que nada de novo nos é apresentado.

Na perspectiva deste olhar pessimista, nossa capacidade de ser diferente foi vencida há muito tempo sob um estilo de vida que nos impõe consumi-la regularmente como única maneira possível de viver: mesmos filmes, mesmos utilitários, mesmas músicas, mesmos textos, mesmo modelo de roupas e cabelo, mesmas ideias, maneiras de ver e aprender.

Aí, se você para por um segundo para olhar o quanto somos tão complexos, o quanto podemos ser diversos, basta observar o que temos de mais imediatamente visível para perceber o quanto somos distintos uns dos outros: num relance, como nas nuances de uma pintura, mergulhe nos tons diversos de cada pele, na sua riqueza de pigmentos, uma imensa paleta de cores.

Confira a página humanæ no tumblr, onde centenas de tons humanos de pele são descritos em paletas Pantone, e depois de apreciar com calma cada uma delas, comece se perguntando: se mesmo superficialmente somos tão múltiplos que haverá guardado em cada um de nós.

Vale conhecer e pensar.

Pantone

Marcelo Lopes
Sobre Marcelo Lopes 262 Artigos
Historiador, produtor cultural, escritor, artista gráfico e técnico-analista em projetos culturais.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*