Auto da Catingueira: a oralidade na música erudita

Por Marcelo Lopes

A personalidade forte do músico Elomar Figueira fez com que o homem Elomar Figueira fizesse escolhas muito específicas, profundas, acerca da sua maneira de enxergar o mundo, sobretudo o seu mundo sertanejo, sua tradição marcada pelo passado e presente de forma simultânea, materializada em sua obra.

Auto 005Genioso, renomado, talentoso e criativo, se criando e recriando em meio aos bodes que ainda hoje cultiva na sua reservada Casa dos Carneiros – imortalizada na música Cantiga do Amigo – o bode que fez de si mesmo, quase como um signo de percepção do mundo, trouxe para o universo artístico o resgate de valores, palavreados, conceitos do homem sertanejo sob a forma de uma elaborada obra musical.

Como o próprio músico confidencia no livro/CD “As Tramas do Sagrado” (2007), “voltei a relembrar aquelas expressões, aquela linguagem, e fui me acomodando, relembrando, revendo a coisa do passado, na Gameleira, depois vim pra o Gavião, (…) e fiquei um longo tempo entre Conquista, Gameleira e Gavião, escrevendo o cancioneiro. (…) Eu vi as planuras, essa peneplanície, o serro, as ondulações, estão nas lerranias muito distantes, eu falei: é por aqui o lugar das sinfonias“. Entre criador e criatura, não há limites claros sobre quem de fato detém o domínio da obra, se Elomar ou o sertão, tamanha a imbricação de saberes.

Cantadores, instrumentistas, estudiosos da cultura popular e admiradores têm em Elomar um lugar de encontro. São muitas as referências que ligam esta matriz de memórias ao mundo da música erudita, às antífonas, às óperas, ao mundo dos sons e dos instrumentos clássicos.

Auto 001O Auto da Catingueira, com três décadas de existência, coroada de romance, disputas sertanejas e magia, talvez seja seu trabalho de maior penetração no imaginário do cancioneiro popular ao qual tanto se dedica. Dividido em 5 atos, ou cantos, o Auto da Catingueira relata o amor de Dassanta pelo tropeiro Chico das Chagas, humilde cantador da região que canta os costumes de sua terra e de seu tempo. Cada Canto fala por si: o 1º, Da Caatingueira, conta o nascimento de Dassanta. O 2º, Dos Labutos, descreve seus trabalhos de mulher. O 3º, Das Visage e das Latumia, desfila o universo do invisível e do mal assombrado que habita o imaginário da caatinga. O 4º Canto, Do Pidido, revela os desejos e vaidades de Dassanta, na partida de Chico para a cidade; e Desafio (5º Canto e último) recria a trágica disputa por seu amor entre Chico contra o ladino e experiente Cantador do Nordeste, conhecedor de todas as armas dos estilos de Cantoria. A disputa musical acontece numa festa em noite de lua cheia, e o equilíbrio entre os contedores leva os acontecimentos às últimas consequências.

Auto 002A ópera que fala do sertão trouxe em, sua última montagem, no último dia 27 de julho de 2013, – no sertão – na Casa dos Carneiros, personalidades desta mesma cultura popular encarnando as emblemáticas personagens do Auto: Miltinho Edilberto (Cantador do Nordeste), Pereira da Viola (Chico das Chagas, tropeiro), Marcelo Bernardes (flauta), Ocello Mendonça (violoncelo) e João Omar (violão) e Saulo Laranjeira como o narrador. A cantora Luciana Monteiro deu vida a personagem Dassanta.

Auto 003Públicos de todo o país se deslocaram à zona rural conquistense, para o Teatro Domus Opera, construído na fazendo do músico, para assistir ao Auto da Catingueira, com direção geral e partido cênico do próprio Elomar e direção musical do maestro João Omar. Esta foi a primeira a apresentação depois de sua estreia, em 2011, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, para um público de quase 3 mil pessoas.

Trabalho como este fazem-nos pensar a força da tradição oral, ainda hoje presente, herança de que gradualmente temos nos esquecido, modificado pela força da modificações da vida, alterado com a onipresença da vida objetiva das cidades e da sua dinâmica. Suspenso no tempo, o Auto da Catingueira permanece.

Auto 004

Marcelo Lopes
Sobre Marcelo Lopes 262 Artigos
Historiador, produtor cultural, escritor, artista gráfico e técnico-analista em projetos culturais.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*