A Catrop e a Memória do Tropeiro

Por Marcelo Lopes
É natural ao ser humano se perguntar de onde vêm as coisas. A origem de tudo é assunto à pauta de qualquer vivente. Saber de onde se vem é premissa para ter subsídios para a compreensão do presente e planejamento do futuro. Daí a importância da memória e da maneira com o homem registra sua própria história.
Em Vitória da Conquista, desde 2007, um grupo de pessoas interessadas em responder questões pertinentes às nuances das matrizes da formação do estado nacional brasileiro, com especial atenção no povo conquistense, concentrou suas atividades na busca de documentar, analisar, discutir e implementar ações que permitam entender o papel de uma figura central em todo este processo: o tropeiro.
A Ong Carreiro de Tropa (Catrop) desenvolve um trabalho articulado de pesquisa a ações de formação, apoiada institucional e/ou informalmente por diversas entidades e iniciativas individuais, com atividades de registro, resgate documental (material e oral), organizando acervos dispersos e sistematizando a memória do Tropeirismo num raio de ação que a cada ano ganha maior diâmetro e reconhecimento. Sua contribuição para a compreensão da nossa própria herança cultural tem sido fundamental e merece – mais do que vem sendo – ser apoiada de todas as formas.
A entidade realiza um trabalho duro – como foi sempre o de um tropeiro – e, assim como o desta figura central, mantém raízes fortes, capazes de se fazer notar pelo vigor do trabalho e do seu conteúdo.
Nos dias 17 e 18 de agosto, a partir das 18h, no Museu Regional da Uesb, a Catrop realiza a terceira edição do projeto Roda de Conversa, desta vez com o tema “Tropeirismo: uma herança cultural”. A Roda de Conversa é uma ação do Núcleo de História, Cultura e Memória da ONG Carreiro deTropa e conta com o apoio do Instituto de Educação Euclides Dantas/IEED, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/UESB, do Grêmio Estudantil Interaçãodo Instituto Federal da Bahia/IFBA – campus de Vitória da Conquista e do blog Garimpeiro das Palavras. A entidade é também parceira do Instituto Mandacaru e de tantas outras iniciativas que tratam da cultura em Vitória da Conquista.
O Blog da instituição promove atualmente uma enquete perguntando onde é possível identificar a presença a cultural do tropeirismo em Vitória da Conquista
Acessem, votem e opinem. E aproveitem para conhecer melhor o trabalho da Catrop.
 
Marcelo Lopes
Sobre Marcelo Lopes 263 Artigos
Historiador, produtor cultural, escritor, artista gráfico e técnico-analista em projetos culturais.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*