Uma música para MIGUEL CÔRTEZ

É ainda com o susto e com o coração apertado que me despeço hoje do amigo Miguel Côrtes, que nos deixou ainda enquanto dormia, na manhã dessa quinta-feira (05/07). As causas do seu falecimento ainda não foram divulgadas. Fica aqui o meu abraço para esse cara que movimentou o cenário cultural de Vitória da Conquista.
Miguel era radialista, reponsável pelo programa de Rádio Som da Tribo e por inúmeras atividades voltadas para a música em Conquista, onde encontrou inúmeros parceiros e amigos. O mês de aniversário do Rock se veste de luto.
Aos que admiravam (e ainda admiram) a trajetória dessa figura fantástica, fica a sugestão: postem o nome de uma música que lembrem nosso grande Miguel. Seu ouvido e coração  sempre foram sensíveis a essa forma de arte e com certeza ela estará ouvindo onde estiver.
Marcelo Lopes
Sobre Marcelo Lopes 263 Artigos
Historiador, produtor cultural, escritor, artista gráfico e técnico-analista em projetos culturais.

4 Comentários

  1. Infelizmente estou longe, não daria para me despedir do amigo Miguel. Estou muito triste com a notícia, Miguel foi um dos apoiadores da banda Atestado de Pobreza, da qual fiz parte no final dos anos 90. Vá em paz amigo! Dalmo

  2. De Caíque Santos

    Queria falar algumas coisas sobre Miguel Côrtes, para quem não o conheceu, mesmo morando em Vitória da Conquista – BA.
    Era meu amigo, desde adolescência (hoje tenho 40 anos), participou em momentos especiais da minha vida e momento tensos.

    Se você lê meus posts aqui e acha que sou “doido”, que não tenho papas na língua, que falo o que penso sem me importar com as conseqüências e tal, se conhecesse o “indefectível” Miguel (como ele mesmo começou a se sacanear certa vez, rs), iria ver o que era ser um cara destemido, e que jamais se curvou aos poderosos da sociedade conquistense.

    Na agressividade e radicalismo dos seus inesquecíveis editoriais, tanto no Som Da Tribo, quanto nas apresentações dos shows de rock, escondia-se um eterno e terno amor por essa juventude conquistense, em particular a galera do rock e o “pequeno e pacato Sumaré”, como ele dizia. Na época que nos conhecemos, a cidade era muito mais carente de eventos do gênero rock e fui testemunha de como este Dom Quixote do rock conquistense junto com Rubenildo Gonçalves Silva (Rubenildo Metal), Ronildo Da Silva Brito (Rony Vox, ou “Capitão Sorriso” como Miguel o chamava, rs), Paula Babilônia , Gilmar Dantas Silva e tantos outros lutaram para mudar essa cena.

    Se você curte os eventos do Suíça Baiana e outros do gênero alternativo, saiba que bem antes de existir o popular conceito de Coletivos, nosso grande Miguel e tantos outros, já praticava isso sem saber que teria futuramente este nome (coletivo) e que seria a salvação para muita banda boa, que jamais apareceriam se dependesse das rádios daqui e apoio do poder público ou empresário.

    Miguel era o cara mais rock n roll, mesmo dormindo todas as noites cedo, não bebendo uma gota de álcool nem fumando absolutamente nada. Sua essência era a contestação, o inconformismo, a rebeldia contra a política nacional e local. Não aceitava mais apresentar eventos da atual prefeitura por não concordar com a forma que estes lidam com a cultura. Nao aceitou me substituir no programa Cult Mix, na Uesb FM também por princípios morais e ideológicos. Poderia falar aqui por horas sobre outros episódios em que ele demonstrou caráter.

    Espero um dia poder escrever o livro, que tantas vezes discuti com ele, um livro sobre os primórdios da cena rock local e a história bonita do Som da Tribo . Infelizmente, a pessoa que eu mais contaria para isso partiu, do mesmo jeito que ele sempre fazia nos shows, sem se despedir.

    Pensei em várias coisas que me confortasse e me fizesse entender o básico, que a vida é isso mesmo, que todos tem sua hora e blá-blá-blá… mas como disse Renato Russo, “hoje a tristeza não é passageira, hoje fiquei com febre a tarde inteira. E quando chegar a noite, cada estrela parecerá uma lágrima”.

    O velório ocorre agora no Centro de Cultura. O enterro será amanhã, 10 da manhã, no cemitério da Saudade. Ele merece sim, todas as nossas últimas homenagens.

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*